Sobre a peça

Texto: Flavio de Souza

Direção: Rubens Rusche

Elenco: Darson Ribeiro

Teatro Tragicomédia com desconto

O HOMEM QUE QUERIA SER LIVRO, se repararem, é quase um trocadilho entre “li-vro” e “li-vre”. É o teatro indo em busca do que a maioria esquece ou não sabe, que é a retomada da criança interior, no sentido humanista da ação.

Darson não tem o objetivo de realizar uma “ode” ao livro, mas, sim, utilizar-se desse instrumento milenar para, por meio do teatro, reforçar o “pensar em si”. A sugestão fica: tudo está em nós mesmos. Em quarenta e cinco minutos num tom confessional, ele apresenta de forma crua e sutil ao mesmo tempo, em tons variantes entre drama, humor e poesia, um reverso desse mundo caótico justamente pela falta de humanidade. E consequentemente, por falta da leitura – o homem consigo mesmo. Citando Jorge Luis Borges, “Sempre imaginei que o paraíso fosse uma espécie de livraria. ”

Então, esse ‘homem-livro’ se pendurou aos livros e ficou suspenso no ar – também no sentido metafórico do não-alcance terreno, como se as palavras tivessem o poder de suspender acima, prum céu sonhado. As pessoas já não sonham mais, sequer imaginam.

Ao contrário de um “anjo caído”, ele desobedeceu aos homens, não ao Divino, e flutuou nas letras usando as capas dos livros como alicerce, e diante de tamanho embrenhamento nas histórias se vê como Dom Quixote. Mas, são também os livros que o fazem sair da fantasia e entender a realidade. E aí, ele vence.

Localização