Sobre a peça

Teatro Show com desconto

Dono de uma personalidade ímpar na música nacional, Belchior nunca teve, artisticamente, o “pequeno perfil de cidadão comum” que traçou no magnífico álbum lançado em 1979. Como que avesso a regionalismos, desde o início de sua carreira procurou dissociar-se das temáticas mais localizadas seguidas por contemporâneos seus do Ceará, como Fagner ou Ednardo, por exemplo. Por outros caminhos, preferiu “andar sozinho” e adotar um estilo urbano, embalado em uma espécie de denso viés filosófico.



“Saia do meu caminho

eu prefiro andar sozinho

Deixe que eu decida minha vida”



Seus referenciais sempre foram às pessoas, suas angústias, desejos, paixões, a juventude e seu tempo. E também as metrópoles e a modernidade, com todas as contradições que isso traz, tal como sempre expôs em belas canções, tipo Paralelas, A divina comédia humana, Pequeno mapa do tempo ou Fotografia 3 X 4, dentre muitas outras.



“A noite fria me ensinou

A amar mais o meu dia

E pela dor eu descobri o poder da alegria”



Além de profundo e habilidoso letrista, violonista capaz e ainda ter seguramente o timbre vocal mais inconfundível da música brasileira, Belchior dedicou sua vida também à pintura, ao desenho, à filosofia, enfim, às artes e cultura de uma forma geral.



Paulo Mano

Amante da música Popular Brasileira, Cantor, Compositor e Intérprete, Paulo Mano com 35 anos de carreira, prestou grande homenagens a grandes artistas, como Raul Seixas, Zé Geraldo, Zé Ramalho, Alceu Valença, dentre outros, agora com o desafio de interpretar as canções deste grande poeta Belchior.



“Liberdade que tanto quero

No escuro desta cadeia

De portas sem travas

Janelas sem trincos

Mas preso me sinto

Não posso voar…”



Grande fã deste Cearense, Paulo Mano teve o privilégio estar com Belchior em algumas oportunidades nos bastidores de seus shows, onde pode expressar sua grande admiração por este grande músico. Agora com este projeto irá trazer ao público grandes sucessos de Belchior que faz parte da juventude e história de vida de muitas pessoas, por que “Belchior fala da luta diária para sobreviver nos centros urbanos, das migrações entre sertão e cidade, das relações de desigualdade entre povo e poderosos, dos sofrimentos dos excluídos, da força dos brasileiros e latinos diante de tudo isso. Enquanto houver isso no Brasil e no mundo, Belchior será atual”



Apenas Um Rapaz Latino- americano



Divina Comédia humana



Galos Noites e Quintais



A Palo Seco



Tudo Outra Vez



Velha Roupa Colorida



Fotografia ¾



Alucinação



Como Nossos pais



Coração Selvagem



Comentários a Respeito de John



Pequeno Perfil de um Cidadão Comum



Brasileiramente Linda



Não Leve Flor



Paralelas




Sujeito de Sorte



Todo Sujo de Batom



Medo de Avião



Conheço meu Lugar



Pequeno Mapa do Tempo



Caso Comum de Transito



Voz da América



Retórica Sentimental



Meu Cordial Brasileiro



Na Hora do Almoço



Lira dos Vinte Anos



Clamor no Deserto



Populos



Aparências



Mucuripe







A especificidade de Belchior é a sua consciência total perante esse processo todo.

Aluguei minha canção pra pagar meu aluguel
E uma dona que me disse que o dinheiro é um deus cruel […]
Hoje eu não toco por música, hoje eu toco por dinheiro
Na emoção democrática de quem canta no chuveiro
Faço arte pela arte, sem cansar minha beleza
Assim, quando eu vejo porcos, lanço logo as minhas pérolas
(“Tocando por Música”, Melodrama, 1987).

Localização